SAEV Ambiental promove trabalho contra ligações clandestinas na rede de esgoto

Essa ação preventiva é benéfica ao meio ambiente; a fiscalização é necessária para evitar transtornos

A SAEV Ambiental promove em Votuporanga um trabalho contra ligações clandestinas na rede de esgoto. Uma equipe de fiscais da autarquia realiza uma vez por ano testes para identificar irregularidades nas tubulações que possam estar levando a água da chuva para a rede de esgoto. 
Essa ação preventiva é benéfica ao meio ambiente, visto que as ligações clandestinas, em que o esgoto em tratamento é jogado na rede de captação pluvial, causam prejuízos e danos ao meio ambiente.
A ligação correta de ralos externos, grelhas, descidas de telhados e calhas deve ser feita por tubulações específicas que conduzam a água até as guias e sarjetas das ruas. Assim, a água pluvial será destinada às galerias e depois levada aos córregos urbanos. “Portanto, quando chove, se há um aumento do volume de esgoto há um grande indício da existência de ligações irregulares dentro dos imóveis”, conta Bortoloti. 
A fiscalização é necessária para evitar transtornos, principalmente, às pessoas que residem em partes baixas da cidade e que recebem maior volume das chuvas. O superintendente da SAEV Ambiental, Waldecy Bortoloti, explica que “se a água pluvial estiver indo para o esgoto, não só o tratamento do esgoto é prejudicado, como também pode haver retorno do esgoto para as casas, devido ao aumento do volume na rede coletora”. 
O procedimento para detecção da irregularidade funciona por meio de um equipamento que solta uma fumaça nos Poços de Visita (PVs), fazendo com que os fiscais consigam localizar essas residências e evitar que os mesmos transbordem. De acordo com o Departamento Técnico Operacional da Autarquia, o trabalho é realizado em toda a cidade dividida em setores. 
Quando identificadas essas ligações ilegais na rede, o morador é notificado e tem 15 dias para recorrer ao atendimento da Autarquia. Se depois desse prazo o problema não tiver sido resolvido, o munícipe pode ser multado no valor de R$ 528,44. Denúncias em áreas rurais podem ser feitas na Polícia Ambiental, já em áreas urbanas na Secretaria Municipal da Saúde.
A autarquia esclarece que a intenção não é multar a população, apenas evitar problemas com as tubulações. “Nosso objetivo é identificar os pontos onde há esse tipo de irregularidade, para que possa ser solucionado o problema. Damos a oportunidade para que o responsável resolva a situação”, informou o superintendente da SAEV Ambiental, Waldecy Bortoloti.